Dino d’Santiago celebra com “Eva”

Dino Santiago

Esta sexta-feira, 13 de dezembro 2013, pelas 21h30, Dino d’Santiago sobe ao palco do Cine-Teatro Louletano para apresentar pela primeira vez o seu mais recente trabalho, “Eva”, no dia em que celebra o seu 31º aniversário.

Consciente de que a família é o seu centro, Dino partiu à procura das suas raízes e, com o pai, aprofundou o conhecimento das suas origens, visitando a “sua” Ilha de Santiago, em Cabo Verde. O impacto foi tão forte que viria a delinear o seu caminho. Passava agora, por juntar os sons quentes africanos, ao Fado, numa fusão singular.

Definido o novo rumo e, em jeito de homenagem à sua família, o músico assumiu um novo nome artístico: Dino d’Santiago, e viajou. No regresso, trazia experiências, sensações, influências e uma maturidade que lhe permitiu mergulhar dentro de si, para melhor se poder revelar. “Eva” foi o resultado: “Este disco sou eu, é o resultado do que vejo, do que sinto. Procuro a simplicidade e o amor. É nisso que acredito”.

O disco conta com a participação do cantor cabo-verdiano Jay, no tema “Nôs Tradison” e do cantor e compositor angolano Paulo Flores, em “Pensa na Oji”. O crioulo de Cabo Verde e o português são as línguas dominantes, numa mistura perfeita de sons únicos da lusofonia.

A produção do seu novo CD conta com Sara Tavares, Jorge Fernando, Rolando Semedo, Hernani Almeida e Diogo Clemente.

A acompanhar Dino d’Santiago neste concerto no concelho que o viu nascer vão estar em palco Ivan Gomes, na guitarra, Renato Chantre, no baixo, Gileno, no trompete, Miroca Paris, na percussão, e Lígia Pereira e Elísio Pereira, nos coros

O preço dos bilhetes para este espetáculo é de 8 euros.

Concerto: Mazgani no Cine-Teatro Louletano

Mazgani - Rita Carmo

A 7 de dezembro 2013 pelas 21h30, o cantautor de origem iraniana, Mazgani, vai estar de volta a Loulé para um espetáculo que terá lugar no Cine-Teatro Louletano.

Escritor de canções, cantor e guitarrista, Mazgani deu início à sua carreira com a edição do álbum “Song of the new heart” no final de 2007. Um início aclamado pela crítica especializada, com grandes canções, de belas melodias e uma poesia que dificilmente se enquadraram no facto de ser somente um primeiro disco.

A revista de renome “Les Inrockuptibles”, em França, deu logo a sua opinião: Mazgani foi considerado um dos 20 melhores novos artistas musicais da Europa. No final de 2008, o International Songwriting Competition, onde figuram nomes como Tom Waits e Jerry Lee Lewis no painel de juízes, premiou com o terceiro lugar o tema “Somewhere Beneath The Sky”. Concorreram a esta competição 16.000 artistas de todo o mundo.

2009 foi um ano repleto de atividade: o lançamento do EP “Tell the People” – uma edição Optimus Discos, e a edição internacional “Ladies and gentleman, introducing Mazgani”. Esta coletânea reúne os 5 temas do EP “Tell the People” e 5 temas do primeiro álbum, bem como o tema inédito “Slaughterhouse of Love”. Este lançamento foi motivo de várias digressões pelo BeNeLux e Escandinávia, incluindo um showcase no Festival Eurosonic em janeiro 2010.

Em abril de 2010, Mazgani lançou aquele que é o seu segundo disco de originais “Song of Distance”. A ambição era encontrar a paixão e a verdade de cada desempenho, a vida de cada canção. O resultado é um disco despojado e nu, que expõe uma voz que canta a solidão dos grandes amores, a falta, a queda e a urgência. “Song of Distance” entra para o top 20 de vendas do chart da AFP, Mazgani dedica-se à estrada, atua pelo país e também lá fora, pela Holanda, Escandinávia, no Europavox em França; o disco é recomendado em várias listas dos melhores do ano no final de 2010.

Mazgani inicia 2011 com uma tournée internacional por Espanha, França e Holanda, com um regresso a casa num concerto esgotado no Teatro Aberto em Lisboa. Entretanto, antes do final de 2011, “Song of Distance” – esgotado no território nacional – é reeditado numa edição orientada para o mercado alemão, através da distribuidora Broken Silence.

Em abril de 2013 o artista lançou o seu novo disco, “Common Ground”, produzido por John Parish (habitual colaborador de PJ Harvey), com a colaboração de Mick Harvey (ex-Nick Cave & the Bad Seeds, e também colaborador de PJ Harvey), e integralmente gravado e misturado em Bristol, Inglaterra.

O seu terceiro álbum teve uma extraordinária receção por parte da imprensa e do público. Na semana de lançamento, o disco registou entrada direta para o 2º lugar do Top 10 dos álbuns mais vendidos do itunes.

Trata-se de um disco denso e rico, que prima pela simplicidade e despojamento, expondo a voz de Mazgani e as histórias que são contadas. Mazgani regressa a Loulé, com um espetáculo intimista integrado numa digressão que está a percorrer várias salas do País, celebrando a sua música de geografias muito personalizadas.

O preço dos bilhetes para o concerto é de 6 euros.

Concerto de Natal com Ala dos Namorados

ALA DOS NAMORADOS COVER AND PROMOTIONAL PHOTOS

No dia 21 de dezembro 2013 (21h30), a Ala dos Namorados vai estar no Cine-Teatro Louletano para apresentar o “Concerto de Natal”.
O cantor Nuno Guerreiro, emblemático vocalista do grupo, volta a pisar o palco da sala de espetáculos da cidade que o viu nascer e irá entoar algumas canções de Natal, bem como os seus grandes êxitos.

A Ala dos Namorados formou-se em 1993, à volta de uma série de canções com letras do João Monge e música do João Gil. Convidam entretanto o Manuel Paulo para compor e surgem assim as canções que viriam a dar origem ao primeiro disco da Ala. Não existia propriamente um grupo musical, mas estes três músicos tinham, na sua opinião, material que justificava a criação de um conjunto que as tocasse e gravasse.

Assim aconteceu e conhecendo o Nuno Guerreiro através de um concerto em 1992 do Carlos Paredes, no qual interpretava uma canção, foram-lhe apresentadas aquelas canções. Caíram-lhe que nem luva e soube dar-lhes uma dimensão peculiar pela sua forma de cantar e pela qualidade única da sua voz. Com o convite feito ao José Moz Carrapa, excelente guitarrista, estava formado o núcleo central da Ala.

Depois disso seguiram-se mais seis discos, sendo que o Moz Carrapa colabora nos primeiros três e o João Gil sai também do grupo depois do disco/DVD “Ao Vivo no São Luiz”. Na gravação do “Mentiroso Normal” de 2007, restam da formação inicial, o Manuel Paulo e o Nuno Guerreiro.

Uma das características mais interessantes deste grupo passa pela forma como conseguem integrar na sua música, estilos que vão do fado ao jazz, ao cabaret, passando por abordagens mais clássicas ou mesmo pop, sem perder a sua identidade e estando sempre presente a matriz portuguesa.

Na composição das canções deste grupo, nunca houve propriamente preconceitos em relação às influências e ambientes que traziam para as suas composições, o que aliás se foi amadurecendo ao longo dos anos. Importantíssimas as letras do João Monge, principal letrista do grupo, que foi e é peça chave no discurso musical deste conjunto.

Também são fundamentais todos os músicos que passaram e passam pela Ala. A Ala tem a felicidade de ter tocado com os melhores músicos deste país e não só, das mais variadas áreas, e o resultado excedeu sempre as expectativas.

Depois do último disco “Mentiroso Normal” e da tournée que se lhe seguiu, (até ao fim de 2008), vem um período de pousio, e algures em 2012, após uma reunião pontual para um concerto, surgiu de novo a vontade de pegar nas canções da Ala e voltar aos palcos.

Assim surge, este ano, esta nova gravação, “Razão de Ser”, em que revisitam 15 canções, convidando instrumentistas e cantores, como António Zambujo ou Jorge Palma, com os quais se identificam e apresentam canções eventualmente menos conhecidas e também algumas canções “incontornáveis” do grupo.

O preço dos bilhetes para este espetáculo é de 8 euros.

Dança: “Lago dos Cisnes” com Russian Classical Ballet

Lago dos Cisnes

Em 3 e 4 de dezembro 2013, pelas 21h00, o Cine-Teatro Louletano recebe um dos maiores bailados de todos os tempos – o “Lago dos Cisnes” -, interpretado pela Russian Classical Ballet, liderada por Evgeniya Bespalova, numa nova produção 2013.

Trata-se de uma narrativa encantadora com sumptuosos cenários, maravilhosos figurinos e um deslumbrante leque de melodias que compõem esta grande obra-prima do ballet clássico.

O “Lago dos Cisnes” é considerado o mais espetacular dos bailados clássicos, repleto de romantismo e beleza, é epítome dos bailados clássicos; a coreografia exige dos bailarinos destreza e aptidão técnica na representação das personagens da história. A sua popularidade é, por outro lado, motivada pela música inspirada de Tchaikovsky, mas também a coreografia inventiva e expressiva de Petipa que, relacionando o corpo humano com os movimentos de um cisne, revela a sua genialidade, o seu potencial coreográfico e criatividade artística.

O “Lago dos Cisnes” narra a história de um príncipe que procura a mulher ideal e vê na figura do cisne a suavidade e o encanto feminino, que o deixam loucamente apaixonado. Mas, na verdade, o cisne é a transfiguração de uma bela princesa encantada, um tema de verdadeira poética romântica.

O Cine-Teatro Louletano regressa, assim, às grandes noites de bailado num espetáculo com coreografia de Marius Petipa e Lev Ivanov.

O preço dos bilhetes é de 25 euros.