Viver em Loulé há 2000 anos

Arquivo historico Loulé

Sábado, 26 de outubro 2013, pelas 15h00, no Arquivo Municipal de Loulé, a apresentação da Conferência “Da Terra e do Mar: Viver em Loulé há 2000 anos”, proferida por João Pedro Bernardes.

«Com um litoral muito mais articulado do que hoje, onde se destacavam extensos estuários que concentravam boa parte da população e da atividade económica do território, o atual concelho de Loulé apresentava durante o período romano um conjunto de atividades diversificadas centradas na exploração de recursos marinhos e terrestres. Em torno do estuário da ribeira de S. Lourenço distribuíam-se vários núcleos de povoamento dedicados à produção oleira, mas também à mariscagem, pesca e transformação de preparados piscícolas. A exploração e transformação de preparados dos recursos marinhos era, aliás, uma das bases económicas do restante litoral, com um enfoque especial também nos outros dois grandes estuários: o da ribeira de Carcavai e o da ribeira de Quarteira. Se naquele, na atual praia de Loulé-Velho, ficava uma das maiores explorações agrícolas do concelho, complementada por uma ampla atividade pesqueira e industrial em torno da produção e exportação de preparados de peixe, já no estuário da ribeira onde hoje pontua Vilamoura localizava-se a maior povoação portuária do território louletano, muito centrada no comércio marítimo mas também na atividade industrial. Entrando terra dentro ao longo das linhas de água que alimentavam aqueles três estuários, que constituíam as unidades geomorfológicas mais marcantes da paisagem louletana antiga, surgiam depois um conjunto de núcleos de população dispersa e uma ou outra grande exploração agrícola onde a produção agropecuária, dos frutos secos, como o figo e a azeitona, mas também a produção de mel da cortiça e a caça, marcavam a vida local. Loulé, a meio caminho entre a terra e o mar, não era, então, povoação de destaque, já que o grosso da população se distribuía pelo litoral ao longo daqueles estuários.

Do modo de vida das populações que viveram no território do atual concelho de Loulé na época romana, quais as suas atividades e principais povoações, é do que trata esta palestra, que procura traçar um quadro daquilo que hoje se sabe com base na arqueologia mas também a partir das descrições literárias dos autores greco-latinos.» (João Pedro Bernardes)

João Pedro Bernardes é doutorado em Arqueologia pela Universidade de Coimbra. É professor associado com agregação da Universidade do Algarve onde leciona nos cursos de licenciatura de Património Cultural e Arqueologia e ainda em vários cursos de mestrado e doutoramento. Tem participado e liderado em vários projetos de investigação de âmbito nacional e internacional, versando sobretudo temas de Arqueologia romana. Efetuou vários trabalhos de campo e escavações arqueológicas, inclusive no território de Loulé. É o atual Diretor do Departamento de Artes e Humanidades da Universidade do Algarve.

A entrada é livre.

Noite das Bruxas com Ciência

Cartaz

Este ano 2013, a Noite das Bruxas será comemorada a 1 de novembro com mais uma festa com ciência de arrepiar no Centro Ciência Viva de Tavira!

O programa inclui workshops para as crianças a partir das 18h00 e, às 19h00 e às 21h00 um Show de Ciência repleto de experiências. Fumo, fogo e muita química sairão do caldeirão!

A noite termina com um concerto da Orquestra Clássica do Sul (quarteto de cordas).

Sexta-feira, dia 1 de novembro das 18h00 às 23h00
Local: Centro Ciência Viva de Tavira.
Preço: 3€ (adulto), 2€ (criança)

Nota: O bilhete de entrada inclui a visita à zona expositiva do Centro e o Show de Ciência. Os workshops terão o custo adicional de 1€ por criança e por workshop.

Para inscrições e informações adicionais sobre o programa da nossa Festa de Noite das Bruxas utilize os nossos contactos:
Tel: +351281326231; +351924452528
geral@cvtavira.pt

Espetáculo de dança «Tatuaje»

Tatuaje VRSA

Sábado 19 de outubro 2013, às 21h30, no Centro Cultural António Aleixo, pela Associação Cultural de Dança Espanhola.

«Tatuaje»: A nova produção da companhia propõe uma união entre o tango argentino e o flamenco, numa alusão aos movimentos de migração registados entre a Argentina e Espanha.

O espetáculo é igualmente inspirado no ambiente e vivências dos portos marítimos, desde sempre um ponto de encontro de pessoas, culturas, sentimentos e paixões.

A produção conta com a participação especial de Carmen Iniesta, bailarina que fez parte do elenco do premiado documentário «Flamenco», de Carlos Saura, e de João Alves, outro conceituado profissional do tango argentino.

A direção artística de «Tatuaje» está a cargo de Gracia Diaz e o corpo de baile integra os próprios alunos da academia de dança.

Os bilhetes encontram-se à venda no Centro Cultural Antonio Aleixo, em Vila Real de Santo António.

No dia 20 de outubro, terá igualmente lugar, no Centro Cultural António Aleixo, entre as 16h00 e as 19h00, um workshop de Tango Argentino conduzido por Carmen Iniesta e João Alves.